Segunda, 19 de Abril de 2021
83 99389-4851
Brasil Protesto

Manifestantes fazem buzinaço em frente a hospital no Paraná, e profissionais de saúde reagem: 'Respeite os pacientes'

No local, profissionais de saúde, entre eles o secretário municipal da pasta, responderam com silêncio e cartazes.

04/04/2021 21h55
154
Por: Redação Fonte: G1
Entre eles, as frases
Entre eles, as frases "silêncio, por favor respeite os pacientes" e "números têm nome". (Foto: Reprodução)

Um grupo de manifestantes promoveu um buzinaço em frente ao Hospital Municipal de Guaratuba, no litoral do Paraná, no sábado (3). Eles protestaram contra medidas de restrição no combate à pandemia na cidade e defenderam o uso de tratamento precoce para a Covid-19, que não possui eficácia comprovada contra a doença.

No local, profissionais de saúde, entre eles o secretário municipal da pasta, responderam com silêncio e cartazes. Entre eles, as frases "silêncio, por favor respeite os pacientes" e "números têm nome".

 

"Me entristeceu muito ver pessoas que lá atrás me ligavam de noite pedindo ajuda para um familiar com Covid, e outros que eu sabia que haviam perdido familiares. Foi difícil ver a forma como alguns nos receberam, com palavras contrárias, esquecendo que somos nós que estamos lá a qualquer horário lutando por eles", lamentou o secretário, Gabriel Modesto.

Segundo o secretário, no momento da manifestação, estava acontecendo um parto na instituição. Pacientes de Covid-19 ficam na Pronto Socorro Municipal.

A ação foi organizada pela Associação Comercial e Empresarial de Guaratuba (Acig) e contou com carros "vestidos" com a bandeira do Brasil.

O G1 tenta contato com a Acig, mas não houve retorno até a publicação desta reportagem.

Guaratuba tem 37.527 habitantes e confirmou 3.785 casos do novo coronavírus desde o começo da pandemia, com 2.748 pessoas recuperadas e 116 mortes registradas pela doença, segundo o último boletim divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (Sesa), no sábado (3).

Medidas restritivas
Em Guaratuba, a prefeitura anunciou medidas mais restritivas para tentar frear a disseminação da Covid-19 em 13 de março. À época, a administração municipal ressaltou a "elevação de número de casos e óbitos e a falta de leitos clínicos e de UTI".

Três dias depois, a prefeitura tornou as medidas ainda mais rígidas, fechando todos os serviços os serviços não essenciais e também essenciais, como mercados, entre os dias 19 e 22 do último mês.

Os municípios do litoral do estado também têm barreiras sanitárias para impedir a entrada de turistas e visitantes.

"Essas medidas foram construídas ao longo do ano, com participação de vários segmentos do comércio. Na última reunião do comitê de crise em que a Acig estive presente, eles pediram por barreiras restritivas, pelo fechamento das praias", afirmou o secretário.

 

Na cidade, são 20 leitos destinados para Covid-19. Segundo o secretário municipal, são 12 leitos clínicos e oito vagas equipadas com respiradores, aptas para intubação.

Gabriel ressaltou, ainda, que o município chegou a transferir pacientes para cidades vizinhas por falta de estrutura.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias