Terça, 22 de Junho de 2021
83 99389-4851
Polícia Carga Roubada

Polícia investiga carga roubada de arroz comprada em Sapé para presídios da Paraíba

A carga foi identificada pela Polícia Civil como sendo a que havia sido roubada no Estado de Pernambuco foi apreendida na última sexta-feira (4).

06/06/2021 15h23
383
Por: Redação Portal Sapé na Web
Polícia investiga carga roubada de arroz comprada em Sapé para presídios da Paraíba

Após a apreensão de 21 toneladas de arroz roubadas, que seriam distribuídas para refeição nos presídios da Paraíba, a Secretaria de Estado da Administração Penitenciária (Seap) suspendeu o contrato com o fornecedor responsável pelos alimentos.

A carga foi identificada pela Polícia Civil como sendo a que havia sido roubada no Estado de Pernambuco foi apreendida na última sexta-feira (4).

A polícia investiga os responsáveis pelo crime. A Seap também abriu processo administrativo para apurar o fato em toda sua extensão.

O secretário da Administração Penitenciária, Sérgio Fonseca, destacou que a Seap executa suas ações dentro dos princípios que regem a administração pública e, no caso, o fornecedor venceu um processo licitatório. Ele adiantou que, de acordo com os trâmites processuais, a comissão de recebimento das compras da Seap – que faz a especificação e verifica se o material está em conformidade com o contrato – constatou que a carga das 21 toneladas de arroz estava divergente do contratado. Assim, foi lavrado o termo de recusa e o fornecedor foi notificado para fazer a substituição do produto e sobre a suspensão do contrato. “Nesse ínterim, a Polícia Civil, seguindo os rastros de dispositivo eletrônico, identificou que se tratava da mesma carga que havia sido roubada no Estado de Pernambuco e de pronto a Secretaria disponibilizou todos meios necessários para a resolução do caso”, declarou.

Sérgio Fonseca adiantou que o fornecedor alegou ter comprado as 21 toneladas de arroz num depósito no município de Sapé. Ele observou que a comissão de recebimento da Seap é composta por servidores efetivos, dentre os quais policiais penais que possuem mais de 30 anos de serviços público e que têm conduta ilibada, que analisam a conformidade dos produtos adquiridos em relação às especificações contidas no contrato (peso, marca, qualidade).

O caso segue sendo investigado pela Polícia Civil e acompanhado pelo Gaeco para se chegar aos responsáveis pelo roubo da carga de arroz. Paralelamente, a Seap abriu processo administrativo, por meio de sua corregedoria e gerência de inteligência, para apurar o caso no âmbito da Secretaria.

Da Redação 
Com PBAgora/Foto: Reprodução Internet

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias