Terça, 22 de Junho de 2021
83 99389-4851
Política Politica

Barroso: 'Que raio de sistema falho é esse que permite alternância?'

Presidente do TSE defendeu urnas eletrônicas e citou as eleições de presidentes de partidos distintos para afastar tese de fraude

09/06/2021 15h12
96
Por: Redação Portal Sapé na Web Fonte: R7
 Ministro Luís Roberto Barroso foi convidado a debater duas propostas sobre eleições Luis Macedo/Câmara dos Deputados - 09.06.2021
Ministro Luís Roberto Barroso foi convidado a debater duas propostas sobre eleições Luis Macedo/Câmara dos Deputados - 09.06.2021

O presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministro Luís Roberto Barroso, afirmou na manhã desta quarta-feira (9), em comissão geral na Câmara dos Deputados, que o sistema de votação atual no Brasil é "seguro, transparente e auditável".

Em resposta a Bia Kicis (PSL-DF), da comissão especial e autora da PEC 135, a qual prevê a adoção de urnas eletrônicas que permitam a impressão dos votos para possibilitar a auditagem das eleições, o magistrado destacou a alternância de poder como argumento para afastar a tese de fraude no último pleito.

"Tivemos reeleição do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, eleição e releição do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, eleição e reeleição da ex-presidente Dilma Rousseff e eleição do presidente Jair Bolsonaro. Que raio de sistema é esse que permite alternância no poder?", afirmou.

Citando modelos de outros países, Bia Kicis afirmou que o sistema eleitoral atual não é transparente e quem defende alternativas, como ela, é vítima de fake news.

"Dos mais simples aos mais cultos, todos pensam que queremos a volta da cédula de papel. Ministro, queremos aprimorar o sistema, como o argentino, que tem a urna de terceira geração. Quando se diz que nosso sistema é o mais moderno, nenhum sistema que conte com 25 anos de idade pode ser considerado moderno", afirmou. "As urnas argentinas contam com a urna eletrônica, a máquina de votação e também a impressão para que se possa conferir o resultado."

Barroso destacou que não há sistema imune a queixas de fraude e citou notícia internacional sobre reclamações de apoiadores de Mauricio Macri, candidato à presidência da Argentina derrotado nas últimas eleições pelo peronista Alberto Fernández. "Portanto, o importante saber se os atores podem fiscalizar e aqui pode fiscalizar do primeiro ao último passo."

Barroso afirmou também que, caso o Congresso decida pela adoção da impressão do voto, o TSE vai se esforçar para cumpri-la, mas alertou sobre as dificuldades administrativas para a licitação do procedimento, o perigo da quebra do sigilo, além dos riscos de fraude e da judicialização das eleições. "E aí vamos ter os melhores advogados eleitoralistas do Brasil procurando encontrar algum tipo de nulidade entre o eletrônico e o papel. E aí vão judicializar."

Conforme Barroso, para confiar no voto impresso, é preciso confiar na urna eletrônica. "Porque o voto impresso vai ser produto da urna eletrônica", disse. "Ou nós confiamos no software, porque confio na equipe técnica sob fiscalização dos partidos, ou confiamos em quem vai contar o voto à mão. Não há nenhum sistema imune a acusação de fraude de quem perdeu. Não há remédio contra o choro do perdedor."

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias