Segunda, 02 de Agosto de 2021
83 99389-4851
Brasil Brasil

Nise Yamaguchi entra com ação contra senadores da CPI

Médica afirma ter sido vítima de misoginia e humilhação no interrogatório e cobra indenização de R$ 160 mil de Omar Aziz e Otto Alencar.

20/06/2021 12h40
176
Por: Redação Portal Sapé na Web Fonte: Terra
A médica Nise Yamaguchi depõe na CPI da Covid-19 no Senado Federal em Brasília (DF), nesta terça-feira (1), que investiga as ações e omissões dos governos federal e estadual, no combate a pandemia (Foto: Frederico Brasil/Futura Press)
A médica Nise Yamaguchi depõe na CPI da Covid-19 no Senado Federal em Brasília (DF), nesta terça-feira (1), que investiga as ações e omissões dos governos federal e estadual, no combate a pandemia (Foto: Frederico Brasil/Futura Press)

A médica Nise Yamaguchi entrou com uma ação por danos morais contra os senadores Omar Aziz (PSD-AM), presidente da CPI da Covid, e Otto Alencar (PSD-BA) pelo tratamento dispensado a ela durante o depoimento prestado na comissão parlamentar no início de junho. Ela afirma ter sido vítima de misoginia e humilhação no interrogatório e cobra indenização de R$ 160 mil de cada um – que, segundo o processo, será integralmente doado.

A ação, assinada pelos advogados Raul Canal e Danny Gomes, fala que os senadores atacaram a dignidade de Nise "enquanto médica, cientista e mulher" e intimidaram a oncologista. A defesa também pede que a Procuradoria-Geral da República (PGR) seja comunicada para analisar se os parlamentares cometeram o crime de abuso de autoridade.

 

"Os requeridos abusaram de seu direito, e sua conduta, além de ilegal e injusta, não foi adequada ou necessária, merecendo ser coibida e punida severamente", escrevem os advogados. "Projetaram-se politicamente mediante a exploração e humilhação pública da autora, tratando-a como verdadeira inimiga", acrescentam.

Defensora da prescrição de cloroquina para tratar pacientes com covid-19, a médica foi colocada na lista de investigados divulgada na sexta-feira, 18, pela CPI. Durante o depoimento, ela foi questionada sobre a existência do chamado "gabinete paralelo", que teria aconselhado o presidente Jair Bolsonaro sobre a gestão da pandemia na contramão das orientações do Ministério da Saúde, e sobre o decreto presidencial para mudar a bula da cloroquina.

Médico de formação, Otto Alencar confrontou Nise sobre conhecimentos técnicos a respeito de doenças virais. Insatisfeito com as respostas, interrompeu a oncologista: "a senhora não sabe, infelizmente a senhora não sabe nada de infectologia, nem estudou doutora, a senhora foi aleatória mesmo, superficial", disse.

Defesas

A assessoria de Otto Alencar se manifestou cobre a ação movida contra o parlamentar. "O senador Otto Alencar (PSD/BA), ainda não foi notificado. Assim que ocorrer a notificação, os advogados responderão, de acordo com a lei. A Constituição Federal em seu artigo 53, garante a senadores e deputados, o direito a manifestações, opiniões e votos no exercício de suas funções. O senador Otto Alencar reforça que durante os seus questionamentos se referiu a médica Nise Yamaguchi, com respeito, sempre a tratando como doutora, senhora e Vossa Senhoria. Quanto à pergunta sobre vírus e protozoário, a médica não soube responder a indagação. O questionamento foi feito com o objetivo de indicar, como atestam cientistas e especialistas na área de saúde, que nenhuma medicação evita a contaminação pelo coronavírus e que o tratamento precoce, defendido por Nise Yamaguchi, não funciona e não é recomendado."

A reportagem entrou em contato com Omar Aziz e aguarda resposta. O espaço está aberto para a manifestação do senador.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias