Domingo, 28 de Novembro de 2021
83 99389-4851
Brasil Brasil

Bolsonaro fala em privatização da Petrobras, mas diz que medida teria 'complicação enorme'

Em entrevista a uma rádio de Mato Grosso do Sul, o presidente também voltou a falar numa possível privatização da Petrobras, embora tenha destacado que um processo do tipo seria uma "complicação enorme".

26/10/2021 08h05
80
Por: Redação Sapé na Web Fonte: RICARDO DELLA COLETTA/FOLHAPRESS
As ações da Petrobras, que operavam em alta de aproximadamente 4% desde as primeiras horas do pregão, passaram a se valorizar mais rápido a partir das 15h30, com um pico de 7,7% no dia. (Foto: Reprodução)
As ações da Petrobras, que operavam em alta de aproximadamente 4% desde as primeiras horas do pregão, passaram a se valorizar mais rápido a partir das 15h30, com um pico de 7,7% no dia. (Foto: Reprodução)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) — Diante do avanço da inflação, principalmente dos combustíveis, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta segunda-feira (25) que não é "malvadão" e que não quer "aumentar o preço de nada".

Em entrevista a uma rádio de Mato Grosso do Sul, o presidente também voltou a falar numa possível privatização da Petrobras, embora tenha destacado que um processo do tipo seria uma "complicação enorme".

As ações da Petrobras, que operavam em alta de aproximadamente 4% desde as primeiras horas do pregão, passaram a se valorizar mais rápido a partir das 15h30, com um pico de 7,7% no dia. Os papéis PETR4 (ações preferenciais) fecharam com alta de 6,84%.

"Quando se fala em privatizar a Petrobras, isso entrou no nosso radar. Mas privatizar qualquer empresa não é como alguns pensam, pegar a empresa, colocar na prateleira e amanhã quem dá mais leva embora. É uma complicação enorme, ainda mais quando se fala em combustível", disse.

"Se você tirar do monopólio do Estado e botar no monopólio de uma pessoa apenas, particular, fica a mesma coisa — ou talvez até pior", declarou.

Em meados de outubro, em meio a críticas pela alta no preço do combustível, Bolsonaro afirmara ter "vontade" de privatizar a Petrobras.

Após a fala de Bolsonaro, o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), afirmou à agência Reuters que o governo federal estuda enviar um projeto de lei ao Congresso que visa a venda de ações e a privatização da Petrobras. Segundo ele, não está certo que a proposta seguirá para o Congresso neste ano, mas, se a privatização dos Correios avançar, o tema pode entrar na pauta de prioridades.

"Não tem decisão tomada. Existem estudos a respeito", disse ele à Reuters.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, destacou o movimento das ações da estatal.
"Bastou o presidente dizer, 'olha, vamos estudar isso aí, isso é um problema', que o negócio sobe 6%. De repente são mais duas, três semanas. Se isso acontecesse, são R$ 100, R$ 150 bilhões criados, isso não existia", afirmou, defendendo nesse contexto a destinação de R$ 30 bilhões aos mais pobres via Auxílio Brasil.

"Não dá para dar R$ 30 bilhões para os mais frágeis num momento terrível como esse, se basta uma frase do presidente para aparecer R$ 100 bilhões, brotar do chão de repente? Por que que nós não podemos pensar ousadamente a respeito disso?", disse, embora a valorização das ações da estatal não represente entrada de dinheiro no caixa do governo nem tenha relação com o teto de gastos.

Na entrevista desta segunda, Bolsonaro afirmou também que devem ocorrer novos reajustes nos preços dos combustíveis.

"Alguns me criticam, o preço do combustível, o preço do gás. Eu não sou malvadão, eu não quero aumentar o preço de nada. Mas não posso interferir no mercado. Se pudesse, iriam dizer que eu queria interferir no preço da carne que vocês produzem no Mato Grosso do Sul", afirmou Bolsonaro.

Em outro trecho da mesma entrevista, Bolsonaro afirmou que não é preciso ter "bola de cristal" para saber que haverá novos aumentos dos combustíveis no país.

"Está para ocorrer outro aumento do combustível. Porque isso daí não tem que ter bola de cristal, é só ver o preço do dólar aqui dentro e o preço do barril lá fora. A legislação garante à Petrobras esse reajuste imediato. E não há interferência minha nesse caso", declarou.

O aumento dos preços é avaliado por auxiliares palacianos como um dos principais obstáculos para a campanha de reeleição de Bolsonaro.

Entidades que representam os caminhoneiros planejam uma greve para o dia 1º de novembro. Para acalmar os ânimos do grupo, Bolsonaro anunciou na semana passada um programa de R$ 400 por mês a cerca de 750 mil caminhoneiros. Apelidada de "bolsa diesel", a iniciativa não foi bem recebida por alguns líderes da categoria.

Nesta segunda, o presidente também responsabilizou o relatório da CPI da Pandemia por, segundo ele, "prejudicar o ambiente de negócios" e ser um fator da alta do dólar.

O relatório final da CPI, apresentado pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL), sugere que Bolsonaro seja indiciado sob as acusações, dentre outras, de prevaricação, charlatanismo, crimes contra a humanidade e de responsabilidade.

"Há uma repercussão negativa forte fora do Brasil, sabemos disso. Me rotulam como genocida, curandeiro, falsificador de documentos, exterminador de índios. É um absurdo o que esses caras [senadores] fizeram, tem repercussão fora do Brasil.

Prejudica nosso ambiente de negócios, não ajuda a cair o preço do dólar, leva uma desconfiança para o mundo lá fora", disse Bolsonaro.

"Há um estrago feito por parte da CPI, que atrapalha todos nós. Isso reflete quando você fala em dólar, aumento de combustíveis", complementou.

Na entrevista, o presidente reafirmou que o governo deve lançar um programa social para pessoas de baixa renda que garanta ao menos R$ 400 por família.

O Auxílio Brasil deve substituir o Bolsa Família.

Referindo-se a apelos pela extensão do Auxílio Emergencial, Bolsonaro disse que o país atingiu o limite da sua capacidade de endividamento.

"A nossa capacidade de endividamento ultrapassou do limite, estamos no limite do limite. Vamos atender sim o pessoal do Bolsa Família — que agora se chama Auxílio Brasil, mudou de nome- com R$ 400 por mês e ponto final. É onde pudemos chegar. A média do Bolsa Família ainda é R$ 192, estamos dobrando este valor, fazendo o possível", disse.

Para acomodar o aumento das despesas no próximo ano com o programa social turbinado, o governo propôs uma manobra que dribla o teto de gastos.

O objetivo da proposta é abrir um espaço orçamentário por meio de uma mudança na forma de corrigir anualmente a regra fiscal. A partir da alteração, será criado espaço nas contas do governo em 2022, com uma elevação de R$ 30 bilhões no teto.
O dinheiro será usado para turbinar temporariamente, até o fim do ano que vem, o Auxílio Brasil.

A medida, associada à limitação de precatórios, deve criar uma margem total de R$ 83 bilhões nas contas no ano das eleições. Parte do dinheiro deve ser deslocado para pagar emendas parlamentares — recursos direcionados pelos deputados e senadores a obras e projetos em suas bases.

A decisão, que teve o aval do governo e do ministro Paulo Guedes (Economia), levou a um pedido coletivo de demissão de quatro secretários responsáveis por comandar a área que controla o cofre do governo, a Secretaria Especial do Tesouro e Orçamento.

Na entrevista desta segunda, Bolsonaro queixou-se ainda da decisão da China de não aceitar a entrada de carne brasileira em seu mercado por causa de dois casos atípicos da doença da "vaca louca".

"[O preço da carne] que caiu agora pouco mais de 10% o preço da arroba, tendo em vista que a China está há três, quatro semanas sem receber carne de nós. Por conta de uma notícia, no meu entender fraudulenta, mentirosa, de uma vaca louca em Minas Gerais", disse.

"Temos sim muita carne presa em frigoríficos, navios, até em portos chineses, que não vem para o mercado interno. Até pela questão de corte e congelamento, que não é aceita pelo mercado interno".

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias