Sexta, 27 de Maio de 2022
83 99389-4851
Brasil Brasil

Cearense cria barbearia em Fortaleza com funcionários e clientes nus

Assim que divulgou a barbearia nas redes sociais, teve alta demanda de homens interessados em conhecer o local. Dessa forma, ele alugou um espaço e, após finalizar um curso de barbeiro, também passou a atender os clientes.

22/01/2022 11h24
Por: Redação Sapé na Web
Cearense cria barbearia em Fortaleza com funcionários e clientes nus

Em Fortaleza, capital do estado do Ceará, Roodney Araujo, de 28 anos, criou uma barbearia em que os funcionários e clientes podem ficar nus. A ideia foi inspirada nas praias de nudismo.

O estabelecimento, chamado “Barbearia Naturista”, funciona há 9 meses, com uma filial no Bairro Parangaba e outra na Praia de Iracema. Entre os serviços oferecidos, estão cortes de cabelo, barba, depilação, banho de lua, limpeza de pele e massagem corporal.

Em entrevista concedida ao G1, o jovem conta que o negócio foi consolidado depois que a mãe perdeu diversos clientes em razão da pandemia no seu espaço de bronzeamento, onde ele trabalhava atendendo o público masculino.

“Sempre que via algo sobre o assunto despertava a minha curiosidade. Um belo dia vi uma matéria em uma dessas praias e comecei a pensar como seria oferecer serviços nesses locais. Uma sementinha que ficou. Com a pandemia, os clientes foram se afastando. Conversando com um amigo barbeiro joguei a ideia dele cortar cabelo pelado, ele topou e comecei a divulgar o serviço”, disse Rodney.

Assim que divulgou a barbearia nas redes sociais, teve alta demanda de homens interessados em conhecer o local. Dessa forma, ele alugou um espaço e, após finalizar um curso de barbeiro, também passou a atender os clientes.

“Comecei a fazer vários agendamentos. Você não tem noção do tanto de tabu que a gente quebrou, gente que tinha vergonha do próprio corpo e quando chega aqui se sente à vontade. A gente desconstrói esse desbloqueio do corpo”, relatou.

Apesar do sucesso, foi difícil para o empresário encontrar profissionais que aceitassem trabalhar nas condições propostas. Aos que aceitaram, Rodney deu apelidos usados na divulgação do negócio, para preservar a imagem dos funcionários.

“Não posso esconder o fato de que muita gente vem através de fetiche e no começo os profissionais não queriam ter a identidade revelada. Então, eles começaram a usar apelidos como o ‘barbeiro urso’, ‘barbeiro hétero’, ‘ex-motorista de aplicativo’. Trago o povo pela curiosidade, mas sempre tento mostrar que é um trabalho normal, é um trabalho tranquilo”, disse.

Da Redação 
Com Metrópoles

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias